sexta-feira, 5 de maio de 2017

Cruela, cruel - A sociedade de um Coronel



Fui moldado e lapidado
Achei que era uma moleque estudado
Mal sabia que era apenas mais um escravizado
Escravo do sistema, da mente, das ideias implantadas de forma inconsciente

Mas foi saindo da universidade que finalmente conheci um pouco da verdade
Foi vendo toda a malícia e a sagacidade, que comecei uma saga pela variedade
Mas sem maldade, é foda perceber tanta vaidade, falsidade, nas viagens são várias falácias encontradas espalhadas por aí em todas as cidades

Mano, vai vendo. A cultura da rua tirou meu pensamento do veneno
Que era fechadinho assim e hoje ta aberto a qualquer momento
Obrigado candomblé, índios, cultura negra e africana
Satisfação pra Krishna, Alá, Maomé e a umbanda

Asiáticos americanos, latinos ou não todos tem seu próprio plano
Mas já é, sem essa coisa assim muito ampla e universal, deixa eu voltar aqui pra cair na real
Só depois de 20 anos que descobri qual a verdadeira intençãoo da TV de mostrar o carnaval
Que carnaval? Tem o machista, racista, mas também tem vários bloco multi-cultural

Só que enquanto nós beber da fonte errada, só vamos cair em várias cilada
Vamo ficar formando mente errada, com aquelas frase de playboyzada.
Mas cair na real é reflexão, é prestar atenção, é mudar sim de opinião quando assume que tava errado em uma pá de textão.
Agora aqui eu ainda não sou irmão, desses mesmo que fazem e são da revolução
Talvez meu defeito seja achar que sempre são os outros quem tem a razão

Aprendi a ouvir um não, mas é mó treta falar um não
Pra uns é muito simples, tão fácil que se quer entendem a minha complicação
Já me chamaram de mimadão, de mandão, mas fico puto quando um loco solta "e ae patrão"
Disseram que eu era mais um deles e eu parei logo duma vez, me senti sem chão
Uma escassez..... faltou um sentimento no meu peito, uma vazão
Sei lá o que é mano, angústia, ansiedade, tava nervosão mas era a dura realidade

Tamo muito longe de evoluir, mas se um mudou vários podem mudar
É na rua que se aprende a ser sagaz e na moral, eu tô em paz
É difícil pra caralho não ser hipócrita sem querer, não ser maldoso sem querer
Porque as ideias fracas saem de monte do jornal e da TV 
Num presta atenção não que você vai ver

Não nasci nessa atividade, só que tenho minha consciência e tive a coragem. Coragem de sair da bolha
Sair dessa loucura de associar preto só ao tamanho da rola
Não aguento mais ver empresa contratando a mina só se ela for loira
Tô de saco cheio de madame criticando quem carrega a vassoura
É vários grupinho que se diz "mente aberta", mas que quando vê o travesti logo logo se revela
Cruela, cruela, vc critica as preta e os preto sem nem saber quem foi Mandela
Cruel, o mano vê um rebolado e parte pro abuso igual urso atrás de mel
Nunca viu mulher que requebra? Deixa ela descer até o chão porque se assediar tu não vai sair daqui são...

Cruela, cruela... Viva Marighella!

Resquícios de uma vida dura, daquela época que foi "dita dura" e também da recente escravatura. Vícios cotidianos, que não passam rápido assim como passam os anos.
Sensato, PM é descendente histórico de Capitão do Mato. Cruela, cruel, aqui vai aquela boa rima pro Coronel, só pra terminar:
"Não acabou, tem que acabar, eu quero o fim da polícia militar"
"Não acabou, tem que acabar, eu quero o fim da polícia militar"



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Pode comentar, é de graça