segunda-feira, 5 de setembro de 2016

Programas clássicos do SBT - Parte 1

No mês passado fez 35 anos que Silvio Santos realizou o maior sonho de sua vida que era se tornar dono de um canal de televisão. No dia 19 de agosto de 1981 é a data no qual o SBT entrou no ar e fez suas primeiras transmissões.

Este canal que sempre teve um estilo próprio é marcado por vários programas de sucesso e que hoje são considerados clássicos da TV nacional.

Preparamos então essa postagem para relembrarmos um pouco algumas das atrações mais marcantes exibidas pela emissora. Foram tantas que tivemos que dividir o texto em duas partes. Espero que vocês gostem.

1 - Topa Tudo Por Dinheiro




Topa Tudo Por Dinheiro era exibido nas noites de domingos, e apresentado pelo próprio Silvio Santos. Durante o programa, o próprio Silvio utilizava o jargão " Quem quer dinheiro?" e em seguida saía jogando dinheiro para o auditório ou ia para o palco para mostrar diversas atrações.
O programa foi marcado por diversas atrações como por exemplo as "pegadinhas" das câmeras escondida ou por perguntas que alguém do auditório respondia para poder ganhar prêmios em dinheiro.
O sucesso era tanto que chegou, por vezes, ganhar no Ibope do Fantástico da poderosa Rede Globo. Saiu do ar em 2001 e desde 2008 temos o "Programa Silvio Santos" que possui um formato bem parecido.

2 - Aqui Agora



O "Aqui Agora" foi um telejornal de apelo popular que obteve muito sucesso durante o período em que ficou no ar entre 1991 até 1997. Seu slogan era: "Um jornal vibrante, uma arma do povo, que mostra na TV a vida como ela é!"
Foi pioneiro no Brasil no uso do Gerador de Caracteres ao exibir manchetes bastante escandalosas sobrepostas às imagens, bem como do uso da câmera na mão em matérias jornalísticas, muitas das quais envolvendo sequestros, tiroteios e perseguições policiais mostradas ao vivo. Seu grande foco era em reportagens policiais, especialmente sobre assassinatos e crimes escandalosos. Seguindo o formato ágil, dinâmico e cru do programa, não era raro os próprios repórteres serem feitos reféns por criminosos, testemunharem mortes in loco ou quase serem atingidos por balas perdidas. O Aqui Agora também exibia, em um tom mais jocoso, fofocas do meio artístico e um quadro de defesa do consumidor. Alcançou altos índices de audiência e chegou a ameaçar a Rede Globo no horário na Grande São Paulo.

3 - Show de Calouros



Sua primeira exibição na emissora foi no ano de 1977 e seguia o modelo básico de programas congêneres que já faziam grande sucesso no rádio e marcaram profundamente a formação artística de Silvio Santos - vários candidatos a artistas (principalmente cantores) se apresentavam para uma bancada de jurados.
Durante os anos que ficou no ar, várias celebridades passaram pela bancada do júri e o nome foi diversas vezes mudado, porém procurando manter o máximo possível do formato original.

4 - Sabadão Sertanejo



Em 1991, o gênero sertanejo estava estourado em todo o Brasil. Aproveitando o momento, Gugu lançou e estreou o programa "Sabadão Sertanejo"  e pasmem, passava dia de Sábado à noite. Até o ano de 1993, somente artistas sertanejos frequentava a atração, porém à partir daquele ano o programa começou a abrir espaços para outros gêneros musicais. O programa começou a perder credibilidade e perder espaço no momento em que preferia, ao invés de focar nos cantores, dar mais destaque a dançarinas no palco que se vestiam para ficar com as formas a mostra.

5 - Viva a Noite



O Viva a Noite foi um programa apresentado por Gugu Liberato no SBT (antiga TVS), que ficou no ar durante 10 anos, entre 1982 e 1992. Inicialmente, Viva a Noite teria três apresentadores: Paulo Lopes, Paulo Barbosa e Jair de Ogum. Mas, os produtores viram Gugu Liberato apresentando uma matéria no SBT e o convidaram para integrar o tima de apresentadores do programa. No entanto, como Gugu Liberato se destacou na apresentação, ele passou a comandar o Viva a Noite sozinho, iniciando, assim, uma bem-sucedida carreira como apresentador de televisão.
Com o tempo, o programa de auditório com variedades foi ganhando cada vez mais a atenção dos telespectadores. Jovens, adultos, idosos e até crianças se divertiam com os quadros do programa, que eram elaborados para todas as faixas etárias. O sucesso foi tanto que Viva a Noite chegou a ser líder de audiência nas noites de sábado, batendo de frente com a "toda poderosa" Rede Globo. Até hoje, o programa é um dos maiores sucessos da história do SBT.

6 - Jô Soares Onze e Meia



Jô Soares Onze e Meia foi um late-night talk show apresentado pelo humorista Jô Soares, caracterizou-se por mostrar o lado entrevistador de Jô, que, até então, era mais conhecido somente como humorista. O programa ganhou esse nome porque, teoricamente, começaria às onze e meia da noite. Entretanto, o SBT sempre foi conhecido por alterar sua grade de programação em função dos desígnios de seu proprietário, Sílvio Santos, e, por isso, o programa, às vezes, começava à meia-noite; outras, a uma da madrugada; o que se tornou motivo de muitas anedotas. O programa foi exibido pela última vez em 30 de dezembro de 1999 quando Jô voltou para a Rede Globo. 

7 - Porta da Esperança



Porta da Esperança não foi bem um programa, na realidade era um quadro do Programa Silvio Santos. O quadro baseava-se na assistência aos telespectadores, sendo considerado o primeiro programa assistencialista da televisão brasileira, servindo de modelo para outros programas. 
O apresentador convidava os telespectadores a enviar uma carta contando suas necessidades (como uma ferramenta de trabalho, um carro, uma casa), desejos (como uma viagem, um quimono, um instrumento musical), ou até mesmo reencontrar alguém desaparecido ou conhecer algum artista famoso. As milhares de cartas recebidas passavam por uma triagem dos produtores do programa, sendo que algumas dessas cartas eram enviadas para outras celebridades da emissora, como o jornalista e apresentador Boris Casoy.
Os telespectadores cujos casos eram selecionados, eram convidados a ir gravar o programa, onde suas vidas eram apresentadas e o pedido justificado, na esperança de ter a solicitação realizada. O apresentador do programa mantinha suspense sobre esse acontecimento, até a hora do clímax, quando Sílvio Santos dizia o seu clássico bordão: “Vamos abrir as portas da esperança!!…”
Assim que Sílvio Santos dizia essa frase, duas portas de correr abriam, abrindo para onde estaria um empresário benemérito (ou outros) que apadrinharia o desejo e a necessidade do participante. O quadro deixou de ser exibido em meados da década de 1990.

8 - O Povo na TV



O Povo na TV foi um programa de televisão transmitido pela TVS, atual SBT, entre 1981 e 1983. Tratava-se de um programa de entrevistas sobre temas polêmicos e escandalosos. Também exibia fofocas do meio artístico e quadros de defesa do consumidor. Reportagens mostravam as queixas de consumidores mal atendidos, que eram colocados frente a frente com fornecedores de serviços e produtos. A conversa muitas vezes descambava para brigas físicas.

9 - Domingo no Parque



Num cenário de parque de diversões, equipes de duas escolas (que nos anos 80 passaram a ser representadas por times de futebol se enfrentavam em diversas provas, como a corrida de bebês, o cabo de guerra, o concurso de dança, o foguetinho e, no encerramento do programa, o jogo da cobrinha. Entre as provas, eram exibidos desenhos animados.

10 - Em Nome do Amor



O programa era constituído de duas atrações principais, em uma delas um admirador secreto se declarava para seu afeto em rede nacional.
O programa ficou famoso pela pergunta de Silvio Santos: - É namoro ou amizade? A pergunta era feita aos casais depois de uma breve dança, normalmente embalada ao som de Julio Iglesias. Antes, um grupo de rapazes e moças ficavam se olhando através de binóculos azuis, depois os rapazes se dirigiam as moças e as retiravam para dançar.
Antes de fazer a famosa pergunta as moças, Silvio fazia uma breve e bem humorada entrevista aos casais. Para os casais que respondiam sim, um buquê de rosas, os moços rejeitados iam para a repescagem.

11 - TJ Brasil



O Telejornal Brasil marcou a estreia de Boris Casoy, então editor-chefe do jornal Folha de São Paulo, como apresentador de TV. O telejornal tornou-se notório no Brasil por introduzir a figura do âncora, modelo "importado" da televisão norte-americana.
Boris Casoy trouxe para a TV o estilo analítico do jornalismo impresso, introduzindo comentários em sua perspectiva após a veiculação de cada reportagem ou notícia. A novidade foi bem recebida e tornou-se uma marca registrada do TJ Brasil e de Casoy. 
Em 1997, quando Boris deixou a bancada do TJ Brasil aceitando uma proposta para ancorar o Jornal da Record, foi substituído por Hermano Henning. Alguns meses depois, no fim de 1997, o jornal foi cancelado.

12 - Programa Livre



O Programa Livre era apresentado por Serginho Groisman em um auditório com uma plateia composta por jovens, quase sempre estudantes. No seu palco, eram realizadas entrevistas, shows, quadros humorísticos e gincanas de braço de ferro, imitações e piadas feitas com voluntários da plateia. Após a saída de Serginho do programa, várias outras pessoas começaram a comandar a atração, mas os baixos índices fez com que o programa saísse do ar em 2001, após 10 anos. 



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Pode comentar, é de graça