segunda-feira, 20 de junho de 2016

Por que o feijão ficou tão caro?

Tradicionalmente conhecido em nossas refeições diárias, o feijão vem causando alvoroço nos lares e redes sociais devido ao aumento do seu preço que já é visível nas prateleiras de todos os supermercados.

De acordo com o Globo Rural, o alimento ficou mais caro devido à queda de produção, impactada pela seca causada pelos efeitos do El Niño. 

O preço do feijão é determinado pela quantidade do produto no mercado e no estoque do governo restam apenas cerca de 108 mil toneladas, o que é considerado baixo. O Estado mais afetado pelos efeitos climático é o Paraná que responde por 24% da colheita nas três safras de feijão e o Estado é o principal produtor. Como a safra foi ruim, isso se reflete no preço, pela baixa disponibilidade do produto. 

De acordo com uma pesquisa da Secretaria de Planejamento de Goiás, o feijão subiu mais de 36% desde o início do ano. A tendência é que o valor fique ainda maior nos próximos meses podendo o produto ser encontrado em algumas regiões pelo preço de R$15,00 o quilo. 

Mas não pense que foi somente o feijão que aumentou, outros produtos também tiveram seus ajustes, porém como se tratou de um aumento muito elevado, o mesmo ficou em destaque. 

A pesquisa da GFK apontou também altas expressivas no ano até maio de outros produtos básicos, como farinha de mandioca (34,5%), leite longa vida (19,3%), açúcar (18,2%), ovo (7,7%), óleo soja (7,6%) e até carne de segunda (3,12%).





Fonte


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Pode comentar, é de graça