segunda-feira, 14 de dezembro de 2015

Somos ET's?




Até que ponto, além do raciocínio, humanos e animais são realmente diferentes? Até que ponto saímos da curva da lei da natureza, se é que realmente saímos. Se deixarmos os princípios éticos e morais de lado (o que é impraticável na sociedade hoje), assassinatos e roubos, assim como atos de coragem ou compaixão, são tão comuns no mundo animal quanto no nosso.

Além das grandes invenções pensadas por mentes brilhantes, ou dos estudos criados sobre quase tudo, ou de segredos de Estado, da Igreja, ainda assim tão diferentes, somos animais. Por trás disso ainda temos o instinto de acordar, alimentar, descansar. Três necessidades básicas encontradas - creio eu - em pelo menos 90% dos seres vivos.

Por deus, para quem acredita em algum, ou por qualquer outra coisa superior a nós, como a própria lei da natureza, foi dado a raça humana um poder incomparável. O poder de cuidar das outras espécies, do planeta em si. Só nós podemos pegar um animal doente e revigorá-lo, uma árvore fraca e fortalecê-la e até mesmo um rio, recuperá-lo, livrá-lo de obstáculos para seguir seu rumo.

Assim, resumidamente, podemos controlar o número de espécies. Um animal que dá luz a por exemplo, vinte filhotes de uma única vez, geralmente só vê apenas 1/3 ou 1/5 chegar a vida adulta. Acontece que com humanos no poder do destino, todos os filhotes chegam a vida adulta. Assim vemos pombos, cachorros, gatos, insetos... quase tudo hoje vira uma praga. Mas isso é só para entender, não é o ponto que quero chegar.

Bem como o poder de cuidar, temos o poder de destruir. Este não é preciso nem comentar. Guerras, desde os tempos medievais, caça e pesca sem freios. Tudo nas mãos do ser humano vira um grande exagero. Basta olhar hoje para as grandes metrópoles, com cada vez mais construções. CONSTRUÇÕES.

Temos o poder de inventar, cuidar, destruir e... construir. Aliado a tecnologia, inventada por essa raça incrível e única que é a nossa, já cogitamos a mudança de planeta. A indústria do cinema já aderiu a ideia e nos faz imaginar como pode ser. Já nos demos conta talvez, que o planeta será cada vez mais destruído se continuarmos nesse ritmo de desenvolvimento. Uma breve pausa no pensamento um tanto quanto maluco...

[Já existe plantação de verduras fora da órbita terrestre. Muitos astronautas passam longos períodos no espaço, se alguma vida for criada lá, já pode ser considerada extra terrestre, no sentido mais literal da palavra]

... Em termos de idade, a raça humana é um bebê na Terra. Voltando ao início do texto, e tentando fazer alguma conexão, penso as vezes que o ser humano foi criado realmente para isso, fazemos parte do ciclo natural que pode envolver inclusive a mudança de planeta. Levamos muito mais que 2.500 anos para começar a estudar a possibilidade de sair do planeta, o que me leva a crer que daqui a mais dois ou três mil anos, nós mesmos podemos ser os próprios alienígenas tanto teorizados e quem sabe o termo E.T. pode até virar E.M. (extras marcianos).


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Pode comentar, é de graça