sexta-feira, 17 de julho de 2015

A questão da natureza humana




Já dizia a música do eterno Rei do Pop Michael Jackson: "É a natureza humana que nos faz assim". E eu sempre concordei com isso.

Tem características, formas de agir ou de pensar que não conseguimos controlar e não adianta tentar lutar contra porque é muitas vezes mais forte do que você.

A sociologia, a psicologia entrando pelo lado da filosofia e até teologia estudaram muito sobre o assunto e é difícil de entender, pois muitas das atitudes dos seres humanos são invariáveis e isso trazemos através de longos períodos, ou seja, coisas que vieram dos nossos ancestrais, que foram influenciados por contextos culturais dos mais variados, mas que não conseguimos mudar. 

A questão do livre arbítrio toma conta de grande parte do debate sobre a natureza humana. Livre arbítrio refere-se à capacidade do homem de fazer escolhas verdadeiramente livres (em certo sentido).

As vezes eu acho que as coisas que eu sinto, penso e faço transcede a relação do corpo físico com o espírito ou a alma. Algo que simplesmente não dá para controlar e/ou explicar.

Ainda bem que existe a moralidade e esse aspecto acho que é bem presente na minha vida então procuro separar as coisas certas das erradas mesmo as que são consideradas apenas nas estruturas sociais, algo do tipo, certos atos são certos ou errados independente do contexto.

Meu receio é eu transformar algo que seja "errado" em algo "certo" pelo simples fato de querer que seja certo.

Mas será que realmente existe essa tal de natureza humana? O fato é que em alguns casos eu sei que estou agindo errado, mas meio que acontece sem querer. Acho que é assim que os homossexuais se sentem, seu corpo e sua mente dizem para fazer de uma forma, a sociedade diz outra, por fim já não sabem qual é o limite entre o posso, devo e o que não consigo evitar.

Não sou homossexual, só utilizei esse exemplo para tentar fazer uma referência. Na realidade sou somente um rapaz confuso que não consegue evitar certas atitudes erradas. 


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Pode comentar, é de graça