sexta-feira, 5 de dezembro de 2014

Um Câncer Chamado Sensacionalismo



Existe uma doença muito séria no jornalismo atual. Boa parte do que está nos meios de comunicação apresenta este terrível diagnóstico, até agora sem cura imediata, e que se espalha cada vez mais. O sensacionalismo está em todo lugar hoje, e é simplesmente terrível. É ligar a televisão aberta, principalmente a aberta, e vê-lo sendo jogado na sua cara.

Ele esta até mesmo no jornais "sérios", para atrair publico. A linguagem, a forma que as coisas são colocadas ali, tudo imprimi essa característica. O sensacionalismo tem um motivo: manipular o publico, estimulando-o com linguagem charlatona e ridícula a estar ali consumir o que é apresentado. Um exemplo mais explícito disso é o mais que estranho "culto as celebridades". Sensacionalismo puro, manipulação pura, que a população doente engole com fervor. E quando até os jornais do "horário nobre" fazem a caquinha de colocar matérias que puxam pra esse lado? É realmente relevante par ao publico saber alguma besteira sobre alguma personalidade? Não, nem de longe. Mas isso vai dar audiência? Sim, claro que sim.

Quem perder alguns minutos assistindo tv sabe de quais programas estou falando. E, infelizmente, não são poucos. Mas me arrisco a dizer que essa é a forma mais... Não direi inofensiva, mas menos ofensiva, talvez, do sensacionalismo. A forma mais horrível, imoral e inescrupulosa e o sensacionalização da miséria, e essa esta em todo lugar. A imprensa, as vezes cumprindo um papel de abutres carniceiros, vê a miséria do povo como um fonte para conseguir matérias toscas para dar um "toque da vida real" para seu programa imbecil, se aproveitando da desgraça alheia. Vão fazer talvez sua chula audiência ficar um pouco emocionada, os repórteres vão fingir algumas lagrimas, bem falsas diante da realidade horrível que exploram, para que dali a alguns minutos a próxima atração seja algum assunto fútil, para inibir qualquer consciência que possa partir da anterior.

O sensacionalismo, mais que uma doença midiática, é uma doença do povo. Afinal, ele que o adora, que o estimula, que o joga goela abaixo. É um ciclo vicioso, enquanto um manipula e inibe a consciência do outro, este o faz crescer. É o cordeiro afiando a faca de abate. As consequências disso podem ser observadas em nosso dia-a-dia, no retrogresso da nação, que culmina em uma população que abraça o futebol e da de ombros para a politica, que compra o que lhes é dito e não se importa em ser usado como joguete nas mãos dos que estão no poder.

Claro, falar desse aspecto da mídia é só a ponta do iceberg, mas talvez renegá-lo e destruí-lo seja o primeiro passo para livrar-nos das correntes que prendem nossa consciência coletiva na inércia que nos joga na lama.


2 comentários:

  1. Por isso que eu nunca assisto jornais da SBT nem aquele Cidade Alerta da Record!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Foi exatamente depois de ver esse "Cidade Alerta" que eu escrevi o texto! Programa ridículo! Alias, vlw pela leitura õ/

      Excluir

Pode comentar, é de graça