segunda-feira, 28 de julho de 2014

Sobre Tiazinhas, Feiticeiras e outras mais ...

Em meados de Outubro de 1996 estreou nas tardes da Band o programa "H" que era apresentado pelo apresentador que está hoje na Rede Globo, Luciano Huck.

Quando o programa começou a explorar a sensualidade e atiçar o libido dos adolescentes, teve que mudar o seu horário de transmissão para mais tarde, mais especificamente para à noite. Mas isso não foi um empecilho, pois os fãs continuaram acompanhando.

Na época eu era um adolescente que acompanhava muito também por causa das personagens erotizadas que faziam parte dos quadros do programa. E é justamente sobre essas personagens que irei falar agora. 


Tiazinha 



Ela foi a primeira, foi um dos trunfos do programa e apareceu pela primeira vez no ano de 1998. A personagem “Tiazinha” era vivida pela bailarina e atriz Suzana Alves. Com a intenção de unir o sensual e o cômico, ela era chamada ao palco para depilar os homens da plateia. Com um figurino minúsculo, que mostrava todos os seus (lindos) atributos físicos, a máscara e o chicote completava a vestimenta, fazendo referência a Mulher-Gato, vilã da série Batman misturando com um tipo meio masoquismo de ser.  A participação de Tiazinha foi um fenômeno de audiência na época, fazendo o ibope subir (não só o ibope) e junto com o sucesso veio as críticas. O quadro foi considerado “baixo e apelativo”, e essa pressão fez com que a Band empurrasse o “H” para as noites da emissora, ocupando a faixa das 20h30 da noite. A Tiazinha fez muito sucesso aparecendo em uma música do cantor Vinny: "Uh Tiazinha!", foi capa da Playboy e teve até mesmo um programa próprio chamado de "As aventuras de Tiazinha". 




__________________________________________________________________________________________


Feiticeira 



Em janeiro de 1999, o “H” continuou investindo nos símbolos sexuais e trouxe mais uma mulher gostosa para o imaginário masculino. A morenaça Tiazinha agora dividia atenções com a loira Feiticeira, vivida pela (na época) modelo Joana Prado. Vestida como uma odalisca, ela tinha a função de “mimar” os garotões que participavam de pequenas competições se saíssem vencedores. O prêmio era um momento com a Feiticeira, que ia desde uma dança sensual até acariciar seus pés ou a nuca, servir cachos de uvas com os dedinhos até longas massagens ou selinhos na boca aplicadas pela moça.



__________________________________________________________________________________________


Índia Aigo 



O apresentador Luciano Huck já não fazia mais parte do programa e fora substituído por Otaviano Costa e para não deixar a peteca cair, Otaviano manteve o mesmo formato da atração. Então, no verão do ano 2000 entrou em cena a escultural morena Shirley Cristina Rocha com intuito de ser a sucessora da Feiticeira e da Tiazinha. No papel da índia Aigo, atração do programa O+, a indígena elevava a audiência de 3 para 7 pontos. Aigo devia parte de seu sucesso a um par de belíssimos atributos: era a única que fazia topless no ar. Na exuberância de seus 23 anos, a moça apresentava-se vestida somente de tanga e penas. Era 1,75 metro, 58 quilos e 83 centímetros de busto e de muita sensualidade. Devido a desentendimentos internos, a índia ficou no ar somente por dois meses. 



__________________________________________________________________________________________


Internética 



Ainda em 2000, o programa apostou suas fichas na personagem interpretada pela modelo paulista Marina Filizolla, que na época tinha 19 anos. Ela era filmada de vários ângulos dentro de uma redoma de vidro montada no pátio da emissora. Ela era observada em momentos de “descontração”: praticando malabarismo, navegando na internet ou simulando o sono. O êxtase ocorria quando Marina trocava algumas peças de seu figurino ou ia até o banheiro tomar uma ducha. Pena que o box ficava completamente embaçado e não dava para ver nada, somente os traços da morena, deixando o restante para a imaginação. Quando a menina que morava na "bolha" entrava no ar, o ibope do programa dobrava. Não que fosse lá muito alto (três a seis pontos, no máximo), mas na época era rentável para a emissora. 


A televisão brasileira passava por uma época que a sensualidade era sinônimo de ibope, visto também que era nessa época que o grupo É o Tchan vivia indo a todos os programas possíveis. Era época também da banheira do Gugu e todos quiseram aproveitar a bundalização na tv e com a Band não foi diferente. 

Fico por aqui e se lembrar de mais alguma coisa das antigas postarei pra vocês, abraços e não esqueçam de comentar. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Pode comentar, é de graça