terça-feira, 15 de julho de 2014

Os falsos moralistas e ativistas do facebook

"De todos os tipos de postagem que posso fazer aqui neste blog, a que eu menos gosto de fazer é a que diz respeito a uma opinião sobre algo. Mas não simples opiniões sobre filmes, quadrinhos ou novelas. Eu me refiro a opiniões que diz-ser mais intelectualizadas, geralmente envolvendo política ou situação do país." - Fala-ê




O título por si só já dá uma ideia do que realmente eu quero falar. Tentarei não ser muito radical e estou aberto a opiniões que vocês podem deixar nos comentários. Mas o falso moralismo que está querendo dominar a rede social facebook está de doer.

Eu aguento os meus alunos que, em sua maioria, são crianças dizendo que amam o Justin Bieber e outros ídolos juvenis, eu aguento àquelas pessoas que postam incessantemente frases religiosas, logo que sempre tem alguma que é bacana mesmo quando é em excesso, aguento até mesmo os funkeiros e as periguetes, mas o que esgota meu estoque de paciência são os moralistas ou falsos moralistas que estão querendo tomar conta da internet. Os chamados ativistas do facebook.

Observo atentamente o que as redes sociais vêm fazendo com a cabeça das pessoas. Parece que de uma hora pra outra, todos se tornaram extremamente moralistas ou politicamente corretos. Ao meu ver, algumas pessoas estão com a necessidade de aceitação intelectual. Todo mundo agora quer ser o dono da verdade, com pensamentos políticos e sociais que não condizem com suas condutas.

Uma das primeiras coisas que uma pessoa que se diz "dono da verdade" tem que saber ou aprender a fazer é  falar coisas que saem da sua própria cabeça e não de opiniões formadas no qual leu em uma montagem falsa da internet. 

São pessoas que criticam a opinião das outras pessoas, falam mal e que são as mesmas pessoas que também falam mal da ditadura, mas se esquecem nesse momento que estão exercendo a ditadura sem ao menos se darem conta disso. Liberdade de expressão é algo que não podemos perder.

Fico triste por essas pessoas acharem que estão acima da verdade e fecharem a cabeça para qualquer coisa contrária do que lhes é confortável. São debatedores de opiniões e que ficam esticando discussões até chegarem ao nível da outra pessoa perder a estribeira e mandar um sonoro “VTNC”. Essas pessoas sentem prazer em discutir sobre qualquer assunto para mostrar ou tentar mostrar que são pessoas intelectualizadas. 

Eu nunca fui à favor de qualquer tipo de bloqueio nas redes sociais, pois não deixa de ser também uma forma de censura, mas também não sou obrigado a tolerar certos tipos de pessoas. Ao me deparar com alguém assim eu simplesmente, de uns dias pra cá, adotei a medida de não ver mais os feeds delas. 

Mantenho amizade com as pessoas, estou com o chat disponível para qualquer momento que quiserem conversar, mas da mesma forma que seleciono o que quero ler em um jornal, assistir na televisão ou acessar em portais da internet, eu também tenho o direito de escolher o que eu quero ver nos meus feeds no facebook. Discutir com os falsos moralistas do facebook é perca de tempo.

Tomei essa medida porque eu sei que os ativista, os revolucionários completos, que geralmente nem tem embasamento do que falam e que comentam sobre política, meio ambiente ou manifestações, na prática nunca estão lá de verdade e nem vão fazer nada à respeito. 

Reclamam do seu trabalho, mas não estudam e nem tomam uma atitude para mudar de emprego, pois não tem coragem. São os "salvadores da pátria", os palpiteiros de plantão do senso comum que se  dizem "sábios" e que sempre tem um conselho para mudar os rumos da nação, mas se candidatar e fazer a diferença que é bom, nada.

Bom, já é madrugada quando terminei de escrever este texto e espero que as ideias não tenham sido muito confusas. Obrigado àqueles que chegaram até o final deste artigo e se quiserem podem deixar suas opiniões que eu prometo que não haverá discussão aqui, pois também acredito que muitas outras pessoas compartilham da mesma opinião que eu tenho. Abraços e até a próxima postagem.





Nenhum comentário:

Postar um comentário

Pode comentar, é de graça